terça-feira, 24 de julho de 2012

Titan A.E - 2000




Título Original: Titan AE
Ano de lançamento: 2000
Direção: Don Bluth, Gary Goldman, Art Vitello
Roteiro: Hans Bauer, Randall McCormick, Ben Edlund, John August eJoss Whedon
Elenco: Vozes de Matt Damon, Drew Barrymore, John Leguizamo, Nathan Lane, Ron Pearlman e Bill Pullman
Sinopse: No ano de 3028 D.C. a Terra é atacada pelos Drej, que são alienígenas feitos de pura energia. A nave-mãe dos Drej destrói a Terra enquanto centenas de naves humanas (incluindo a nave Titan com o professor Sam Tucker a bordo) fugiam pelo espaço, como ultima esperança da humanidade. Um dos fugitivos é o filho do professor Sam Tucker, Cale, que carrega consigo um anel dado a ele por seu pai. Quinze anos mais tarde, Cale está trabalhando em uma estação espacial. Sem um planeta, os seres humanos foram reduzidos e obrigados a viver no espaço, onde constantemente são olhados de cima a baixo pelas outras raças. Um capitão humano chamado Joseph Korso e sua piloto Akima procuram Cale para lhe explicar que eles devem encontrar a Titan, pois dentro dela há um mecanismo capaz de criar uma nova Terra e consequentemente um lar para a humanidade. Entretanto, os Drej também procuram pela Titan a fim de destruí-la.


Por Jason


Antes da Fox fazer mares de dinheiro com a franquia "A era do gelo", o estúdio tentava adentrar em um território novo para ela. Sem a tradição da Disney e o arrojo da Dreamworks, que engatinhava no ramo, ela decidiu investir em uma aventura espacial eletrizante, mas que resultou numa extravagância visual fracassada - e igualmente subestimada.

"Titan AE" é uma mistura de animação 2D com 3D, com visual acertado que parece misturar quadrinhos com jogo de video game e uma temática interessante. Num futuro em que os homens estão perto da extinção por terem o planeta vaporizado por uma raça alienígena, e os humanos que sobraram se reproduzem em colônias espaciais como se fossem nômades, surge a possibilidade de construir um novo planeta através da nave Titan. O herói Cale, que perdeu seu pai, se junta a heroína Akima nessa jornada de esperança, onde a humanidade procura não só um acerto de contas com a raça que o dizimou - os tais Drej, seres de energia pura -, mas um lugar para chamar de lar.

Há cenas de beleza fantástica na animação, como o conceito visual empregado para demonstrar a explosão da Terra, o visual místico e estranho do planeta de aliens voadores, que possui florestas de árvores feitas de Hidrogênio e são altamente explosivas. Igualmente bela é a sequência da criaturas translúcidas, que acompanham a nave em seu voo, ou os anéis de gelo onde a Titan - uma verdadeira arca criada para gerar a vida, com todos os códigos genéticos das criaturas lá - se esconde. A colônia onde os humanos vivem, chamada Nova Bagcok, é um entulho gigante no meio do espaço, com naves enferrujadas e onde os moradores se recordam da Terra com melancolia através de velhas fotografias e hábitos. É também uma mistura de nacionalidades, que vivem naquele lugar como numa Torre de Babel em forma de favela espacial. 

O melhor de tudo é saber que Titan AE é um arrojo em animação que poucas vezes apareceram nos cinemas. Num rápido retrospecto, podemos perceber que a ficção espacial poucas vezes foi vista nesse gênero - não são temáticas comuns - e aqueles que se arriscaram também tiveram igual ou inferior resultado, como é o caso de "Planeta do Tesouro", um dos maiores fracassos da Disney. As exceções são poucas, dos quais se destacam o sensível e brilhante Wall-E, da Pixar.

O maior pecado da animação, contudo, é não se decidir entre agradar o público adulto, com um tema profundo, e agradar ao público infantil com sua aventura. O roteiro - que inclui as mãos de Joss Whedon, do recente sucesso de "Os Vingadores" - mistura uma série de raças alienígenas, não muito coloridas, que incluem uma barata alien cozinheira falastrona, com personagens unidimensionais e sem um passado (o único que possui um passado definido é o personagem central). Dessa forma, não se sabe quais são suas aspirações, não se sabe como essas raças se mesclaram aos humanos, nada é dado de informação ao público e a sensação de estranheza é completa.

Não fica claro, por exemplo, os motivos das traições e mudanças de lado de um grupo e quando isso é justificado, vem de uma maneira tola e sem profundidade. Falta também explorar os vilões, que são lançados na tela sem nenhuma explicação pelo ódio aos humanos. Não se sabe de onde eles vêm, nem como se formaram ou como funcionam, apenas que são feitos de energia pura. A trilha sonora nem sempre funciona, incorporando músicas de rock de bandas diversas em várias passagens do filme, talvez mirando um público adolescente ou para criar uma aura de animação singular. Aos personagens faltam envolvimento - a animação carece de drama entre eles, razão pela qual se distancia do público. Essa mistura acaba prejudicando o composto final, que poderia ser arrebatador - mas resulta em um trabalho  apenas mediano. 


Cotação: 2,5/5

Titan AE não é universal como seu tema, devendo agradar mais aos fãs de ficção com seus belos conceitos visuais.

TRAILER




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...