quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Redes do Crime - 2008




Título Original: What Doesn’t Kill You
Ano de lançamento: 2008 (no Brasil foi lançado direto em DVD em 2010)
Direção: Brian Goodman.
Roteiro: Donnie Wahlberg, Brian Goodman e Paul T. Murray
Elenco: Mark Ruffalo, Ethan Hawke, Amanda Peet, Jay Giannone, Mandy Olsen, Donnie Wahlberg, Brian Goodman.
Sinopse: "Redes do Crime" conta a história de dois melhores amigos que cresceram juntos e, aos poucos, se envolveram com pequenos crimes. Brian (Mark Ruffalo) tem uma bela esposa (Amanda Peet) e dois filhos, mas o seu vício em drogas e álcool deixam ele longe de ser um bom pai. Paulie (Ethan Hawke) está determinado a fazer um grande roubo, para de uma vez por todas se "aposentar" e abandonar de uma vez por todas a vida do crime. Mas, seus planos vão por agua abaixo quando um policial (Donnie Wahlberg) finalmente os pega em flagrante e os manda para a cadeia. Anos mais trade ao retornar para casa, Brian terá que enfrentar a terrível verdade de que o crime faz parte da sua vida e, por mais difícil do que pareça, tentará mudar sua postura para nunca mais ter que abandonar sua família novamente.

Por Lady Rá


Brian (Mark Ruffalo) e Paulie (Ethan Hawke) cresceram na pobreza do subúrbio em Boston e desde pequenos convivem com o mundo do crime. Brian tem mulher e dois filhos e é viciado em drogas. Paulie é frio e controlado, vê no crime apenas uma forma de ganhar dinheiro fácil. Inevitavelmente eles acabam sendo presos. Quando saem da prisão, Brian começa a repensar a sua vida e sua relação com sua família, mas começa a perceber que o crime faz parte da sua vida. Ele tem que enfrentar as dificuldades financeiras, o desemprego, a rejeição do filho mais velho, as brigas com a esposa, ao mesmo tempo  tenta se regenerar e se tornar um homem correto. Paulie planeja um grande roubo, que lhes daria muito dinheiro. Brian tem que decidir se fica ao lado do amigo, o que pode levá-lo a cadeia por muitos anos, ou se luta para não perder sua família

É um drama bonito, sobre fazer escolhas, sobre amizade e redenção. Possui um clima intimista, sem cenas muito fortes, portanto não espere um drama grandioso. É um filme lento, não há um clima de tensão e não acontece nada demais, nenhuma grande surpresa. A direção é bacana, auxiliada por uma bela fotografia, explorando ao máximo as paisagens urbanas (repare nos tons mais claros  e iluminados no momento em Brian retorna para sua casa e encontra a família, contrapondo os tons acinzentados dos tempos em que ele ficou na cadeia). O roteiro é bem escrito (tem pequenos furos, mas não prejudicam o todo) e sem grandes arroubos dramáticos, que torna o filme simples e autêntico. Ao que parece, trata-se um história basead na própria vida do ator/diretor/roteirista Brian Goodman, que aqui faz uma parceria com o também ator Donnie Wahlberg, que ajudou a escrever o roteiro. Redes do crime é um daqueles pequenos projetos pessoais, que acabam resultando em um trabalho bonito e sincero, não é maravilhoso, mas é eficaz no que se propõe.


O grande barato do filme está na dupla de protagonistas: Mark Ruffalo, no papel do confuso Brian,  tem um dos melhores momentos de sua carreira, com uma interpretação delicada, cheia de nuances e explosiva quando é necessário, Gosto de uma cena em que Brian tenta se entender com o filho e lhe pergunta o que ele precisava fazer para que o este lhe respeitasse. Ethan Hawke está igualmente brilhante, Paulie é mais controlado que Brian e jamais se desvia do foco. Existe uma química bacana entre os atores, o que contribui para tornar a relação de amizade dos seus personagens bem mais crível. Você percebe que apesar das escolhas erradas, no fundo ambos possuem algo de bom, ambos se amam e se respeitam como irmãos. Paulie se preocupa com o vício de Brian, e este se preocupa com as escolhas do amigo. É possível entender porque eles estão naquela vida e ainda assim, o filme não glorifica o crime e mostra que sempre existe uma escolha.

Faço ressalvas quanto ao terceiro ato que é muito morno, o filme tenta pregar uma peça no telespectador, mas acaba não causando impacto. O roteiro é cuidadoso para não transformar os protagonistas em personagens unidimensionais,  mas acho que poderia ter explorado um pouco melhor os conflitos de Brian, a impressão que fica é que a escolha que ele faz parecia óbvia.  Mas o saldo geral é positivo, em grade parte, graças ao elenco.


Cotação: 3/5

Lady Rá acha que o filme pode agradar mais aos fãs do atores envolvidos ou aqueles que curtem dramas independentes e mais intimistas. Ou não. =)




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...