segunda-feira, 1 de outubro de 2012

A coisa - 2011 (The thing - 2011)




Título Original: The Thing
Ano de lançamento: 2011
Direção: Matthijs van Heijningen Jr.
Roteiro: Eric Heisserer, John W. Campbell Jr., Ronald D. Moore
Elenco: 
Adewale Akinnuoye-Agbaje (Derek Jameson)
Carsten Bjørnlund (Karl)
Davetta Sherwood (Davida Morris)
Eric Christian Olsen (Adam Goodman)
Jan Gunnar Røise (Dr. Jaun Jacobs)
Jo Adrian Haavind (Henrik)
Joel Edgerton (Sam Carter)
Jonathan Walker (Colin)
Jørgen Langhelle (Lars)
Kim Bubbs (Juliette)
Kristofer Hivju (Jombry)
Maria De Nancuva (Zara Larsen)
Mary Elizabeth Winstead (Kate Lloyd)
Stig Henrik Hoff (Peder)
Trond Espen Seim (Edvard Wolner)
Ulrich Thomsen (Dr. Sander Halvorson)
Sinopse: "A Coisa" é um prelúdio para o filme O Enigma de Outro Mundo (The Thing, 1982), clássico da ficção científica de John Carpenter. Na trama, na Antártida, uma equipe internacional de cientistas encontra um alienígena congelado e, com ele, uma criatura que consegue emular outras formas de vida. Mary Elizabeth Winstead faz a paleontóloga Kate Lloyd e Joel Edgerton interpreta o piloto da equipe. 


Por Tia Rá

Abram o caixão que a múmia se levantou. Eu, Tia Rá, fui acionada pelos espíritos malignos mais uma vez, agora para descer o sapato nessa barata mutante chamada "A coisa"! É hora de trollar mais um filme! Preparem o detefon, armem o rodox e VEM COMIGOOOOOOOOOO!

Você está querendo me perguntar: por que eu devo ver esse filme, tia...? FALA LOGOOOOO, MINHA TIA!

WHY, BABY? WHY???

Ok, vejamos. Olha, o filme até que tem um começo interessante. Após um acidente, um grupo de exploradores descobre um OVNI debaixo de uma placa quilométrica de gelo na Antártida. A paleontóloga songa monga Kate (Mo) Lloyd (Mary Elizabeth Winstead, falarei dela mais tarde), da Columbia University, viaja com uma equipe norueguesa a essa região desolada da Antártica. Lá, a equipe, liderada por Edvard Wolner (Trond Espen Seim)... 

Pausa dramática.

...Trond Espen Seim. Gente, isso é um nome?! A pessoa nasce uma vez e colocam um nome assim, pqp! Eu processava meus pais, na moral.

Well, voltando...

A equipe é integrada pelo Dr. Sander Halvorson (Ulrich Thomsen) e Adam (Eric Christian Olsen), e descobre uma estranha criatura enterrada no gelo, que tentou escapar logo após o impacto da nave muitos anos atrás, com o solo gelado, mas acabou congelada coitada. A descoberta se transformará em pesadelo, quando a criatura, como uma mosca que congelou em uma geladeira de cozinha e foi novamente aquecida (OI?), volta à vida na forma de uma barata assassina horrorosa. Kate vai ter então que se unir ao piloto Carter (Joel Edgerton) e seu assistente Jameson (Adewale Akinnuoye-Agbaje) para evitar que esta criatura escape. 

Pausa dramática AGAIN. Preciso respirar um pouco porque meus pulmões foram embora com esse nameAdewale Akinnuoye-Agbaje. Não sei como nem o que significa isso, mas é um nome, viu gente, e é do ator que personificou Mr Eca de Lost. Soa como um espirro - ou uma dor de barriga. Enfim...

Toda essa dramatização para a tia aqui dizer que “A coisa” traz efeitos especiais razoáveis, que se não são nota máxima no quesito, ao menos não ajudam no chulo resultado final. Mas efeitos especiais têm em todo lugar hoje, né meu povo, até em novela da Record. Afe.

Por que não ver a bagaça afinal, minha tia?

O fracassado “A coisa” de 2011, é um filme de... bom, não dá pra saber o que a bagaça quer ser. É um desses casos em que o filme não se decide entre ser horror, suspense, ação, comédia, drama, capítulo de novela, Globo Repórter,  uma sequência do filme anterior ou uma refilmagem — na dúvida, ele aposta em tudo junto e vai assim mesmo, entende? É muita informação na tela pra pouco filme, é muito molho pra pouco macarrão. É mais uma versão do conto “Who Goes There?”, do escritor americano  de ficção científica John W. Campbell Jr, mas que não atinge o ápice de nenhuma das outras duas (e olha que a primeira é trash acima do tolerável, viu povo?).

Não vou mentir. A própria criatura pode ser assustadora do ponto de vista narrativo, porque ela imita qualquer coisa que toque e sua fome é uma coisa de outro mundo, o que poderia levar a todos os enclausurados em uma base no meio do nada ao mais puro horror. Mas A coisa tenta evocar seu antecessor, sem sucesso, quase o tempo todo de projeção, principalmente quando o grupo consegue queimá-la e mais tarde realizar uma autópsia, filmada como O enigma do outro mundo, de 1982. Se era remake, pra quê vender como prequel, meu povo?

Outros problemas? A direção de (se prepara que lá vem outro nome alienígena) Matthijs van Heijningen Jr é frouxa, molenga, porcalhona, AMADORA. Não sabe criar suspense, não sabe jogar no escuro, usar efeitos sonoros. Nada a seu favor. O roteiro tem crateras lunares (como aquela barata mutante que não é dotada de inteligência veio naquela nave, gente? E se a nave não era dela, para onde foram os donos, alguém explica? Se a barata é uma criatura insectoide comedora de gente, teria inteligência suficiente para construir uma nave daquele tamanho com aquela tecnologia desconhecida - ou ela simplesmente, por mimetizar ou produzir um hospedeiro assimila a inteligência do parasitado? E se ela fez isso com alguma raça alienígena, onde eles ficaram, onde andam, quem são, gente, comofas?).

O roteiro não explica, nem sugere nada, deixando um monte de ponta solta. O papo do brinco naquele final foi péssimo, vamo combiná... Mas o golpe de misericórdia vem com a escalação de Mary Elizabeth Winstead. Saída da escola de atuação Kirsten Stewart, a mulher fica com cara de sonsa o tempo todo; quando tenta atuar faz cara de paisagem, não grita e nem se desespera quando deve gritar. Ela não tem carisma. Junte isso a uma direção que não faz nada pelos atores e Mary consegue fazer com que sua personagem seja tão desinteressante quanto ela mesma. 

Vai ser ruim assim longe, fia!

Cotação: 1/5

De pavoroso mesmo, MESMO, só o nome desse povo envolvido com o filme, minha gente! Mas assim... são bons efeitos especiais em um filme ruim que não faz jus aos originais. Pior: The Thing é duplamente fracassado, porque foi um fracasso em 1982 e agora em 2011, mas o primeiro saiu do limbo para se tornar uma das mais interessantes - e importantes - ficções do cinema porque o tempo se encarregou de dar seu valor. Resta a essa coisa mais atual desaparecer para sempre. 

TRAILER



Saindo ao som de...


"toda vez que eu chego em casa, a barata da vizinha tá na minha cama... 
Diz aí Tia Rá, o que cê vai fazer???
Eu vou pegar o meu sapato pra me defender!"

Voltarei em breve com mais sapatadas! 

Beijos meus amores,

Tia Rá.




Um comentário:

  1. Fiquei decepcionado quando vi esse filme, pensei que fosse uma prequela mas, na verdade, é um mix de prequela, reboot e remake. Mesmo sendo uma cópia e um fracasso ele tem seu charme, se você nunca tiver visto a melhor versão, que é a dos anos 80.

    ResponderExcluir

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...