segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Liberdade para as Borboletas - 1972



Título Original: Butterflies are free
Ano: 1972
Direção: Milton Katselas
Roteiro: Leonard Gershe
Elenco: Goldie Hawn, Edward Albert, Eileen Heckart, Paul Michael Glaser, Michael Warren
Sinopse: Don Baker (Edward Albert) é um jovem sensível e inteligente que decide sair dos braços super-protegidos da mãe e ir morar sozinho na San Francisco. Ele então conhece a bela jovem Jill Tanner (Goldie Hawn), que causará muitos desentendimentos com a mãe do rapaz.


Mais um tesouro que Lady Rá tirou da arca, para vocês. =D

Liberdade para as borboletas, adaptado a partir da peça Butterflies are free de Leonard Gershe, é um filme que retrata o surgimento de um romance entre Don Baker, um rapaz  que tenta ser independente, se afastando da mãe super protetora e Jill, sua vizinha liberal, que não sabe ao certo o que quer da vida. Mas quem sabe, aos dezenove anos?  Dom foi criado como um bibelô pela mãe dominadora, mas na idade adulta, resolve ir morar sozinho, sua vida totalmente organizada vai bem até a chegada da nova vizinha, o que bagunça totalmente sua vida e seus sentimentos. Don e Jill logo criam uma intensa conexão um com o outro, porém, com a chegada da mãe de Don, a relação se complica. Obviamente ela não vê com bons olhos a relação do filho com Jill, que tinha um histórico de relacionamentos curtos e complicados. Não entrarei em maiores detalhes sobre o enredo, pois o interessante é assistir ao filme sem saber muita coisa sobre ele.

Embora tudo pareça acontecer rápido demais no filme, talvez pelo fato de que o filme é baseado em uma peça teatral, e possível acreditar no amor dos protagonistas, assim como a transformação pela qual todos elas passam, graças ao roteiro de Leonard Gershe, que adaptou o texto de sua própria peça. Os diálogos inteligentes dão o tom da história de amor de dois jovens que estão saindo do casulo, e neste sentido a metáfora que o título carrega não poderia ser mais pertinente. O longa, de 1972, aborda  com um olhar inocente temas atemporais e sentimentos inerentes aos jovens na transição para idade adulta: o amor, os sonhos,  as incertezas, as limitações, as diferenças, o autoconhecimento. E para que o filme com tomadas longas e que se passa quase que inteiramente dentro de um apartamento não se torne cansativo e claustrofóbico, é necessário um bom uso da câmera, e neste ponto, o filme não falha. O diretor consegue capturar a intimidade do apartamento de Don com precisão A câmera de move por dentro do apartamento, levando o telespectador a se sentir como se fosse outro morador que interagisse com os personagens, aliando-se ao som e a excelente direção de atores, criando um ambiente perfeitamente crível. Vale destacar a trilha sonora, um show à parte.

A trinca de atores principais desempenha muito bem os seus papéis, Goldie Hawn em início de carreira, como uma garota extrovertida, cheia de vida, liberal, mas que tem seus momentos de insegurança e incertezas. Edward Albert foi uma revelação na época, porém sua carreira não obteve o sucesso esperado, o ator faleceu de câncer em 2006. Albert cria um Don sensível, inteligente, atraente e seguro de si. E é eficaz nos momentos em que o rapaz perde todas as suas defesas. E ainda, a atriz Eileen Heckart que recebeu o Oscar de Atriz Coadjuvante pelo papel da mãe de Don.

Liberdade para as borboletas é daqueles filmes que é capaz de cativar qualquer tipo de público. Não há como não se identificar com aqueles dois jovens descobrindo a vida, seja quem é jovem ou já foi (como a Tia Rá), todos nós já passamos por momentos de dúvidas, já tivemos (ou temos) nossos sonhos por realizar, projetos de vida, um encontro especial com alguém que vai sacudir nossas vidas pra sempre.

Cotação: 4/5

O filme venceu o Oscar 1973 na categoria “Melhor Atriz Coadjuvante” para Eileen Heckart e ainda foi indicado nas categorias Fotografia e Som. O ator Edward Albert recebu o Globo de Ouro na categoria “Ator revelação” e recebeu indicações nas categorias de melhor filme - musical / comédia, melhor ator de cinema - musical / comédia, melhor atriz de cinema - musical / comédia e melhor canção original (Carry Me).



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...