quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Argo (2012)


Título Original: Argo
Ano de lançamento: 2012
Direção: Ben Affleck
Roteiro: Chris Terrio, Joshuah Bearman
Elenco: Ben Affleck, Alan Arkin, Brian Cranston, John Goodman, Victor Garber, Clea DuVall, Tate Donovan, Rory Cochrane, Tate Donovan
Sinopse: Em 4 de novembro de 1979, enquanto a revolução iraniana atinge seu ápice, militantes atacam a embaixada dos EUA e tomam 52 americanos como reféns. Mas em meio ao caos, seis pessoas conseguem escapar e se refugiam na casa do embaixador canadense. Sabendo que é apenas questão de tempo até serem encontrados e mortos, o especialista da CIA em “exfiltração”, Tony Mendez (Affleck), arquiteta um arriscado plano para colocá-los com segurança para fora do país.

Por Ravenna Hannibal

A categoria de "Melhor Filme" do Oscar 2013 trouxe algumas indicações curiosas, como um filme estrangeiro ('Amor") e uma aventura dramática que tem um indiano como protagonista. E juntamente com isso, trouxe também três indicações que muitos dizem mostrar o favoritismo próprio do Oscar: Lincoln, A Hora Mais Escura e Argo.
São filmes completamente diferentes um do outro, se passam em épocas diferentes e falam sobre períodos e fatos históricos distintos.
Talvez a história que mais chame a atenção de todas seja a de "Argo".

Baseado num incidente ocorrido em 1979, que só foi revelado ao público anos depois, o "Argo" de Ben Affleck é um interessante exercício da união de história e cinema do qual o maior mérito talvez seja conferir verossimilhança à um enredo que seria absurdo se não soubéssemos ser baseado numa história real.
E é aí que o filme se mostra eficaz em misturar a ficção com realidade.

A abertura do filme nos apresenta um prólogo sobre a situação política antes dos fatos narrados. Inteligente observar os desenhos de storyboard se transformando nas fotos ou nos vídeos reais da situação dos reféns na embaixada americana do Irã, recurso utilizado mais tarde no filme como uma espécie de rima narrativa elegante.
Aliás, Affleck fez questão de mostrar o máximo possível do material para que quem está assistindo acredite na história. Além dos videos e fotos, a reconstituição da época (onde a moda e a aparência das pessoas tendia convenientemente ao exagero) foi praticamente impecável, tanto que até o modo como foi filmado relembra um pouco os filmes da época do mesmo sub gênero. A fotografia se mostra diferente de acordo com os ambientes, mas ao mesmo tempo mantém uma unidade que funciona bem e ainda ressalta a época em que acontece a história.

A direção de Affleck é prática e ágil, serve muito bem aos momentos de suspense e também para o tema político. A sacada da cena da leitura do roteiro intercalada com as notícias a respeito dos reféns na embaixada é simplesmente genial (aliás, a maneira que o filme relaciona o projeto/roteiro de "Argo" com a situação é muito inteligente). Assim como o clímax funciona bem como clímax. Há uma tensão crescente no clímax provocada não pelo enredo em si, mas pela montagem inteligente da cena. A cena em que os seis "procurados"  saem a público pela primeira vez mostram a eficiência da tensão na direção do Affleck sem se apegar ao que poderia ser considerado clichê do suspense.

Infelizmente, apesar de ágil, prática e inteligente, a direção de Ben Affleck, pelo menos em Argo, não é tão sensível assim. Todas as tentativas que o filme parecer realizar de fazer nos importar com os personagens são em vão. Talvez a agilidade seja a inimiga real da sensibilidade no trabalho de Affleck aqui (em "Medo da Verdade" ele se atém na agilidade e se mostra um pouco mais sensível). Apesar de funcionarem melhor que a parte realmente dramática do filme, as cenas em Hollywood negociando as "gravações" do filme, não destoam completamente da história e são divertidas, mas parecem tirar um pouco do tempo que ele tinha para desenvolver os personagens de forma concreta e até na fotografia parecem ser dois filmes diferentes.

E reside aí o maior defeito do filme, pois disso dependia toda a empatia com a história.

Ben Affleck mais uma vez se mostra melhor diretor do que ator. Se a sua direção não ajudou-nos a sensibilizar com seu personagem, sua atuação muito menos, e as cenas com a família dele não funcionaram para conferir profundidade ao Mendez - pelo menos isso aqui não compromete o andamento do filme. Jonh Goodman e Alan Arkins se mostram juntamente com seus personagens, a dupla mais carismática e cativante do filme. O elenco, bom ou ruim, não tem muito tempo para se mostrar em consequência dessa agilidade excessiva do roteiro e da direção. Mas talvez seja por isso que o filme tenha conquistado mesmo o coração dos "anti-americanos", pois pode ser que se tentasse desenvolver melhor os personagens americanos do filme, ele se tornasse ufanista.

Alguns podem dizer que a intenção dele era focar mais na operação em si do que nos personagens, mas isso não é desculpa para ficar num incômodo meio termo. Aliás, essa parece ser mesmo a intenção dele, pois se não temos tempo de criar um elo com os personagens através do desenvolvimento do psicológico deles, pelo menos  filme é muito eficiente ao retratar a personalidade de cada um através do modo como se vestem, ou se parecem. A aparência aqui é fundamental para entendermos quem está do outro lado.


No fim das contas, "Argo" é um bom exercício de cinema, mas talvez superestimado, pois mesmo com o enredo baseado numa história realmente cinematográfica e um potencial gigantesco, "Argo" tem suas cenas geniais sim e também suas cenas tensas (vide clímax), mas ainda não consegue o feito de grudar o público na cadeira, fazê-lo se empolgar ou fremir de emoção. Algumas vezes se perde no clichê hollywoodiano de histórias americanas, mesmo que seja perceptível a tentativa do Affleck de não parecer ufanista demais.

De qualquer forma, é um filme que mostra que Affleck pode ainda chegar a ser um diretor mais do que competente. É eficiente na parte da política e do suspense, mas falta tempero e sensibilidade.

Acho que se ele lesse agora o que escrevi a respeito, ele apenas diria "Argo. f**ck yourself!"

Cotação: 3/5

TRAILER


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...