sábado, 9 de fevereiro de 2013

Do além túmulo - Considerações sobre O hobbit - Uma jornada inesperada



Por Tia Rá

Olha, gente, eu tava na dúvida se postava sobre essa bagaça ou não, até porque a Lady Rá já veio aqui, fez o dela, toda emocionada e comovida e coisa e tal sobre esse sucesso, um dos maiores do ano de 2012, aliás, O hobbit, uma jornada inesperada. Mas isso daqui é um point democrático, né gente? Você chega, faz o seu e quem quiser que venha aqui lamentar,  né produção? 

O barato dessa bagaça desse blog é isso, a gente fala mal do que quiser, fala bem do que quiser, e ninguém mexe com a gente, ninguém se sente ofendido e fim de papo, né, Smeagol?

- Éerrr...

Ok, gato...! Vamos lá fazer o nosso joguinho de esculhambação, neammm... 

Não vou ficar aqui discutindo bilheteria aliás, uma vez que 007 Skyfall se tornou o maior filme do agente James Bond de todos os tempos e superou Batman O cavaleiro das Trevas Ressurge em bilheterias (um minuto de silêncio em homenagem as noletes que, depois de serem vítimas do Oscar mais Troll de todos os tempos, agora precisam aturar mais isso - gargalhadas satânicas). 

- OI?


Tá bom, não me olha com essa cara não... voltando a falar do Hobbit - pra gente trolar juntos...

Olha, eu, tia Rá, concordo com algumas críticas negativas que li sobre o filme, discordo de outras. O filme tem momentos em que os efeitos especiais causam um constrangimento absurdo, como nas sequências diurnas envolvendo aqueles orcs e os wrags, aquilo foi deprimente de tão mal feito, gente! E o que dizer daquele trenó de lebres correndo??? UATÁRÉUUUUUU???? WTF PETER JAKO?? Tomei um choque de 10.000 volts feito uma T-Rex desvairada gritando "QUEDESG***ÉESSA?!" sem parar ao ver aquilo. Foi feio, foi péssimo, foi porco, foi vagabundo, foi trash, foi lixo. Um mico em se tratando de um filme caro e se pensarmos que tem a Weta por trás e o povo de O senhor dos Anéis envolvida nessa bagaça. Chorem, morram ou entrem em depressão, meus bbs mutantes, mas vamos combinar, né? Lástima. 

O filme também tem um começo ágil e muito interessante, bem épico aquele prólogo falando do dragão - mas achei que os efeitos, de novo, deixaram terrivelmente a desejar ali. Eu estou em O hobbit, lembremos, não em Crônicas de Nárnia ou um genérico qualquer de fantasia, né Smeagol? 


Afe. 

Outra cena patética em que os efeitos falham amargamente é na cena em que os personagens se reúnem sob a luz do luar, mas deixemos passar, foram detalhes, coisas pequenas ali. O filme não tem a qualidade técnica de O senhor dos anéis, não tem a qualidade de Avatar, dentre outros filmes anteriores ou do mesmo ano, não vi ali nenhum Oscar para os efeitos (talvez pela quantidade, que deve ter sido absurda, mas não pela qualidade, que é irregular chorem). PI é deslumbrante, marcante e melhor executado. O floppit flopou em premiações, mas tá recebendo suas nomeações aqui e ali né? 



Tem cenas que dá para notar que foram filmadas durante o dia e os efeitos postos como se fossem noite, um problema que a fotografia não consegue solucionar - aquela sensação de superficialidade terrível que falaram foi real para mim (culpa dos 48 quadros? Não sei). Outro incômodo é o make dos anões e o hobbit. Incomoda cada close na cara dos atores maquiados em que se vê a superficialidade daquilo lá, mas não é nada que o filme não supere e creio que seja mesmo problema do formato de filmagem (embora eu não deixe de registrar que vi maquiagem soltando na cara de anões e de Gandalf em algumas cenas, mas a gente tem que perdoar, não deve ser fácil fazer eçapoha toda não). 

A cena dos trolls é uma confusão absurda, toda picotada. Outra sequência lamentável é aquela do porco espinho - que não acrescenta nada - e a cantoria dos anões - que também não avança em nada na trama. Quando eles começavam o batuque do Olodum, só uma cena vinha em minha cabeça: 






Nem eu... Nem eu... Mas a gente podia fazer a Milla, né gato? Que tal?



Me espera gata, que eu vou pular com você!



Mas olha... teve tortura maior, né Smeagol? 



A sequência do jantar, aliás, vinte ou quinze minutos menos não comprometeria o resultado (achei tão enfadonha quanto desinteressante). Tem também aquela sequência em que eles fogem de dentro do covil dos orcs na montanha - e repare que só um personagem é identificável facilmente (Gandalf, pelo seu chapéu). É um Deus nos acuda, um samba de crioulo doido. 

Galadriel entra e sai pra nada, Hugo Weaving ainda acrescenta algo, mas também está ali de enfeite, né gente, colaborem aí com a tia porque eu não-sou-obrigada! O excesso de anões é terrível, gente que é impossível identificar (só lembro do casal de anões gays Fili e Kili e do outro de cabeça branca. O resto é enfeite de cenário mesmo). OH WAIT!!! Aquela cena dos titãs brigando, maravilhosa!!! Mas serve para_________? Enfim, dar o "clima" da aventura, apenas.




Atenção mulheres like me, esqueçam essa quantidade
absurda de abortos mal sucedidos e concentrem-se no que 
é realmente importante <3! 
Bjs, amigas!
Gargalhadas diabólicas


Mas tem as coisas boas. Porque nem só de caganeira vive isso, né gente... A fotografia do filme é boa. A direção de arte e os cenários também. Apenas duas sequências me marcaram. Aquela das águias, em que Jackson filmou tão bem e depois tem aquele diálogo entre Thorin e Bilbo que eu quase choro enlouquecidamente. O ator que faz Bilbo, o Freeman, também é um acerto. Não é nada que mereça indicação ou premiação, mas ele atua bem e é bem simpático, marca melhor presença no filme do que Elijah Wood na trilogia dos anéis. Ian McKellen é um monstro. Ele consegue captar e se manter no filme apenas com olhares, se preciso for. Reparem na cena em que ele vê o anel com Bilbo. F-O-D-A. E naquela parte em que ele olha para os outros quando falam sobre Azog. McKellen compreende o personagem completamente. Ele É Gandalf. Se matem.

Outra coisa boa foi o flashback com o orc pálido. Quando o filme fica mais adulto, anotem aí, fica mais interessante, digamos assim. Jackson também limpou um pouco a parte das águias, sintetizou melhor, e construiu uma sequencia ótima. E, claro, Gollum. É o melhor personagem do filme, o melhor efeito especial. Impressionante suas expressões faciais de choro, pensamento, ódio, alegria, tudo é ultra perfeito nele. Parece, aliás, que resolveram gastar quase todo o orçamento nele em detrimento dos outros, porque né...


Pffff


Por fim, fiquei com a sensação de que falta algo mais no filme. O filme não me arrebatou, não me prendeu atenção. Demora a engrenar e quando engrena, ele não te recompensa de alguma forma. Ele sai do nada. E chega a lugar nenhum. Não me admira que alguns críticos tenham descido a lenha no filme (e que outras pessoas falam de "má vontade" com o filme). Não é má vontade. É porque tem gente que não é alienada enxerga coisas onde os fãs neuróticos não conseguem ver. Não há um combate final em O floppit, uma flopada desesperada, não há aquele fantasma de Sauron. Há aquele Orc pálido dublê de satanás albino fazendo macaquices, unidimensional, a cara da noiva do Drácula e pronto. Falta o chefe de fases, como dizem, o combate final, o fechamento. Nem o primeiro O senhor dos anéis, cometeu isso. É uma aventura, uma fantasia, me lembrou um Nárnia. Melhor acabado, mas irregular. Parem de superestimar, por favor. Grata.

Passou, pronto, próxima.

Cotação: 3/5

Pronto xiitas, já podem queimar a tia aqui na fogueira!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...