quarta-feira, 20 de março de 2013

Fuga no Século 23 - 1976 (Logan's Run - 1976)



Título Original: Logan's Run
Ano de lançamento: 1976
Direção: Michael Anderson
Roteiro: David Zelag Goodman
Elenco original:
Michael York
Richard Jordan
Jenny Agutter
Roscoe Lee Browne
Farrah Fawcett
Michael Anderson Jr.
Peter Ustinov
Randolph Roberts
Lara Lindsay
Gary Morgan
Sinopse: A vida é perfeita no século 23. Todos têm direito às coisas boas, mas não podem ultrapassar os 29 anos de idade. Logan é um caçador de fugitivos do ritual de execução. Quando chega sua vez de ser eliminado, resolve fugir, mesmo sabendo os riscos que corre.

Por Jason


A extravagante e pessimista ficção Fuga no século 23 é baseada num romance de ficção científica de William F. Nolan e George Clayton Johnson, publicado originalmente em 1967 e que, além do longa-metragem, também deu origem a uma série de televisão em 1977. A produção é claramente dividida em três partes. Na primeira, somos apresentados a uma sociedade no futuro, em que a humanidade vive em uma redoma sem contato com o mundo exterior. Nela, os seres humanos não vivem mais do que trinta anos: ao completarem essa idade, eles atravessam um ritual religioso de renovação num chamado carrossel. Logan 5 é um patrulheiro, que caça pessoas que se recusam a ir para o carrossel, matando-os. Ele acredita que uma vez no carrossel, o ser humano se renova, sem necessariamente conseguir entender o significado desta renovação.

Com a entrada de "Jessica 6" em sua vida, Logan começa a questionar o método de vida dessa sociedade. Ele é designado para caçar fugitivos não cadastrados, no mundo exterior, em um lugar chamado de santuário. Uma vez que consegue escapar, fugindo de um dos seus amigos, Logan acaba descobrindo no mundo exterior a ruína de uma cidade - que nada mais é do que Washington, a capital dos EUA. A partir daí, o choque entre a ignorância de Logan e Jessica com o conhecimento de um estranho habitante velho do lugar leva o filme para a última parte.  A ideia, de porte desse conhecimento sobre o que aconteceu com o mundo, é transportar o velho para a cidade de onde eles saíram e mostrar para a sociedade que é possível viver mais do que os seres humanos dentro da redoma acreditam - além do fato de que aquela sociedade nada mais é do que uma grande mentira, rompendo com os costumes e hábitos do sistema.

Chama atenção a direção de arte, indicada ao Oscar, e a fotografia, também indicada. A cidade da redoma é cheia de cores, vestidos diferenciados e exóticos, com estruturas cheias de espelhos e futuristas. O transporte é feito por tubulações gigantes e dentro dessa metrópole  não existem sequer animais. Os recém nascidos recebem uma espécie de joia, um cristal que conta o tempo do cidadão. A cidade é controlada por um computador central que as pessoas o seguem. Ao chegar ao fim de trinta anos, o cristal começa a piscar e o computador a avisar que é hora de seguir o ritual, mantendo assim a população estável e controlada. O passado, no entanto, é representado pela cidade com ruínas cobertas de vegetações, em outra boa recriação dos cenários. O filme ainda usa navios e cenários abandonados de indústrias, que representam os motores e a energia que faz o lugar funcionar.

Fuga no século 23 é uma clara metáfora sobre a alienação coletiva. As pessoas da cidade seguem seus costumes cegamente, comandadas por um sistema opressor sem serem capazes de questionar e de buscar a verdade dos fatos - e o mito da caverna de Platão é facilmente identificável aqui. Como os androides de Blade Runner, os seres humanos vivem programados, com data para nascer e morrer e o tempo é um fato precioso que deve ser aproveitado ao máximo - em geral com sexo. É uma sociedade vazia, oca, robotizada, onde os sentimentos deram lugar apenas ao prazer físico. Ao sair dessa caverna, Logan e Jessica tem contato com a realidade e nessa parte o filme garante momentos memoráveis, como o primeiro contato com o sol (nenhum dos dois sabe o que é) e o contato com o velho. Em uma das cenas em que confronta o computador, Logan consegue resistir mentalmente e destruí- lo, numa clara analogia de que só o conhecimento é capaz de libertar da ignorância da alienação.

Como todo filme da década de 70, a produção envelheceu e traz momentos de efeitos visuais sofríveis, como na sequência inicial e as que envolvem as externas da cidade, em que é possível serem notadas as maquetes utilizadas para gravar as cenas. Há ainda a cena do desabamento do gelo, com um robô feito de espelho e máscara de papel alumínio que é uma bizarrice de tão precária - em uma cena aliás, reveladora sobre o destino dos corpos da população. Do elenco, apenas Peter Ustinov, o velho, se destaca - e o filme ainda tem a bela e doce Farrah Fawcet, a eterna Pantera, que faleceu vítima de câncer em 2009, em participação especial. Existe um problema de ritmo na terceira parte, que prejudica o desenrolar dos fatos e a atenção do espectador. Mas se tem algo em que a produção é infalível é na sua celebração a vida. 

A cena final, com uma multidão de jovens deslumbrados pela benção de poder envelhecer, já valeria ao filme a alcunha de clássico.

Cotação: 4/5


6 comentários:

  1. Engraçado como antigamente (lá pros 70's e 80's) se exploravam idéias fantásticas, ficções filosóficas, enfim, filmes de ação e cérebro e isso aos poucos foi se perdendo. Os efeitos que eram precários evoluíram, mas perdeu-se o cérebro. Ficou a ação..

    abro algumas exceções, é claro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você Fábio. Esses filmes nos faziam pensar e a gente se envolvia com a história, de maneira fantástica! Sou fã de ficção científica: um dos meus gêneros favoritos.

      Excluir
  2. Oi Fábio!

    Você tem razão, é isso mesmo. Foram anos ricos em ideias, em criatividade, em novidades e coragem. Eram filmes corajosos. Hoje tudo deu lugar a festivais de efeitos impressionantes, vitrines de tecnologia completamente ocas.

    Obrigado pela participação!

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Realmente, a maioria das obras cinematográficas estão mais voltadas a impressionar com o os efeitos e não pela profundidade da causa.
    Muito bem escrita a postagem. Obrigada.
    E eu só consegui ver o filme hoje! Estava curiosíssima para assistir, pois adoro filmes distópicos.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Tudo bem. E cadê o link para baixar e concordar ou não com o contexto de vocês.







    ês

    ResponderExcluir

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...