segunda-feira, 25 de março de 2013

Top 10 - Dos games para as telonas... já!



Por Jason

Avanços enormes de tecnologia no mundo dos games vem oferecendo aos produtores de jogos cada vez mais possibilidades e recursos para criarem mundos e personagens ultrarrealistas, que acabam muitas vezes fazendo mais sucesso do que produções cinematográficas. Produzir um jogo virou coisa de cinema: os orçamentos estão cada vez mais inchados, como super produções cinematográficas, envolvendo técnicos de todas as áreas possíveis, atores e atrizes, além de diretores e roteiristas. 

Artistas conhecidos do cinema cada vez mais participam deste tipo de produção, seja emprestando suas vozes ou tendo suas feições escaneadas para aparecerem como personagens. O fato é que a linha entre Hollywood e os jogos eletrônicos vem se estreitando a cada ano e será inevitável que a meca do cinema um dia passe a enxergar no gênero potenciais futuros sucessos de bilheterias, assim como vem explorando exaustivamente o filão de personagens em quadrinhos e de histórias conhecidas do público recontadas de outras maneiras (como Alice no país das maravilhas, Branca de Neve, João e Maria, etc). 

E com razão. Não é surpresa para ninguém que o mundo dos vídeo games vem faturando muito mais do que o mundo do cinema já fazem muitos anos. Mas o cinema coleciona tentativas fracassadas de adaptações de jogos eletrônicos: dos horríveis Super Mario Bros, Street Fighter, Doom, Alone in the Dark, Bloodrayne, Mortal Kombat Aniquilação, passando pelos rasos Mortal KombatSilent Hill, Tomb Raider e Final Fantasy. O mais bem sucedido de todos, a franquia Resident Evil, detém a marca de mais de 900 milhões de dólares em bilheteria, mas os filmes nunca primaram por grandes orçamentos nem qualidade cinematográfica - e suas bilheterias nunca ultrapassam os 300 milhões de dólares, uma vez que quase nenhum consegue sequer se pagar nos EUA.

Há casos de estudo. Tomb Raider, mesmo trazendo Angelina Jolie, conseguiu arrecadar quase 275 milhões em bilheterias (pouco, se considerado que seu orçamento foi de 115 milhões). Com o sucesso razoável, uma continuação era evidente e foi lançada apenas dois anos depois - resultando num notável fracasso que consumiu 95 milhões, não se pagou no mercado norte-americano e totalizou pouco mais de 150 milhões, encerrando qualquer possibilidade de se estabelecer uma franquia.  

A Disney foi a primeira a investir pesado. Seu luxuoso Príncipe da Pérsia custou estratosféricos 200 milhões de dólares, mas, metralhado pela crítica, não conseguiu sequer chegar ao dobro do seu custo (nem se pagou nos EUA). É o filme mais bem sucedido do ramo - e é também um dos mais insossos e esquecíveis. Eis aqui uma questão: porque Hollywood não consegue emplacar uma adaptação de um jogo de vídeo game, sendo que há material em profusão para isso?

Recentemente anunciaram o cancelamento do projeto da adaptação de Bioshock, mas a adaptação do belo Shadow of the Colossus segue de pé, assim como a de God of War e Need for Speed. Vamos torcer para que, finalmente, Hollywood coloque as adaptações nos eixos. Até lá, preparamos uma lista de games que renderiam excelentes filmes, nas mãos de pessoas habilidosas e com a produção certa, com um pequeno resumo do que trata cada um deles - e vamos postar aqui aos poucos. 

Confesso que não sou louco por games - não é todo tipo que me agrada e que prende a minha atenção. Não vamos entrar no mérito de qual é melhor ou qual daria um filme melhor, todos tem potenciais - nem se aprofundar, apenas citar os seus respectivos enredos, que poderiam render bons roteiros e, quem sabe, estabelecer o gênero no cinema. Caminhos para isso não faltam. 

Espero que curtam essas dez primeiras escolhas!


  • Resident Evil

Sim, ele mesmo. Como uma franquia de terror se transformou naquele filme de Paul W S Anderson - e como a produtora do jogo permitiu um atentado a sua cria como esse - é um mistério que só mesmo eles sabem. No jogo - o original, de 1996 - uma equipe é enviada para uma região montanhosa, com a finalidade de descobrir o que aconteceu com outra equipe que sumiu na região. A área está cheia de cães raivosos assassinos. O grupo encontra uma mansão aparentemente abandonada e acaba trancafiado dentro dela ao passo que do lado de fora mortos vivos fazem suas vítimas. Documentos e arquivos espalhados pela casa sugerem que uma série de experimentos e atividades criminosas estavam sendo realizadas na propriedade, sob a autoridade do conglomerado farmacêutico Umbrella Corporation. As criaturas vagando dentro e fora da mansão são os resultados dessas experiências, que têm exposto seres humanos e animais ao "T-Vírus". Depois de adentrar em uma série de túneis e salas, descobre-se um laboratório subterrâneo contendo detalhadamente os experimentos da Umbrella. Há falhas de roteiro - e uma incômoda veia trash no jogo - mas o sucesso do jogo se deve a atmosfera de horror, claustrofóbica e sufocante - bem diferente do resultado encontrado nos cinemas. Lugar fechado somado a zumbis do lado de fora e um grupo desesperado para sobreviver. George Romero fez um clássico com tão pouco. Um reboot se faz necessário e urgente.


  • HALO

Estamos falando do primeiro que gerou uma franquia de sucesso nos games. Halo é uma franquia visualmente deslumbrante. O "Halo" que nomeia o filme é um enorme habitat espacial em forma de anel, que fica em um campo gravitacional entre um planeta e sua lua, o que causa a sua rotação gravitacional. Master Chief, um supersoldado com uma armadura de batalha é acompanhado por Cortana, uma Inteligência Artificial enquanto enfrenta uma aliança de raças alienígenas, tanto a pé quanto em veículos, enquanto tenta descobrir o segredo de Halo. O projeto de transformar o jogo em filme chegou a circular por Hollywood mas acabou engavetado - teve até o nome de Peter Jackson envolvido. Halo seria um tanto difícil de ser realizado porque envolve uso massivo de efeitos especiais e cenários grandiosos, mas chama atenção um detalhe importante - a trama, que não possui aqueles tradicionais "chefes" de fase e constitui basicamente em resolver um grande mistério. Seria preciso resolver outros poréns em uma possível adaptação - o final do primeiro jogo, que é um tanto frustrante. 

  • The legend of Zelda

Um título para servir de base para uma produção cinematográfica: The legend of Zelda - Ocarina of Time, considerado um dos melhores jogos de todos os tempos e aclamado pela crítica e público - mas a série é rica em possibilidades, desde os tempos do pequeno Super Nintendo. 

A história, enorme, envolve seres místicos, como elfos e fadas, espíritos malignos, castelos, templos sagrados, vilas medievais, monstros aracnídeos, dragões, lobos, árvore sagrada, maldições, pedras espirituais, um bom vilão - Ganondorf, que se transforma em um demônio gigante - uma princesa e um herói, Link. Sem falar em espada, na fiel égua Epona, criaturas marinhas exóticas, cavernas, montanhas e desertos. Aventura para dar e vender. Tudo isso embalado por trilha sonora de primeira e um roteiro que renderia facilmente uma trilogia nos moldes de O senhor dos Anéis.

  • Turok

Turok nasceu nos quadrinhos e nos games ganhou duas encarnações. Na primeira, respeitou as suas origens, como um índio nativo americano Pré-Colombo o qual, junto a seu irmão Andar, eram caçadores num vale isolado (conhecido como "Vale Perdido") habitado por dinossauros. Em suas lutas, Turok e o irmão fazem uso de seus conhecimentos de flechas envenenadas e domínio do fogo e guardam segredo dos habitantes primitivos. A aventura nessa primeira fase nos games ocorre em selvas, vilas antigas, cavernas, vulcões e até estações espaciais e naves alienígenas, quando estes tentam destruir e dominar a terra perdida. O segundo jogo foi um sucesso absurdo e trazia portfólio de criaturas bizarras e assassinas moradoras de túneis subterrâneos, de dar inveja a qualquer orc da Terra Média.

Nos quadrinhos, os índios passavam o tempo todo tentando encontrar uma saída dessa Terra Perdida, um lugar perdido num vácuo espaço temporal provocado por tecnologia desconhecida ou por um evento catastrófico. Na segunda encarnação, mais atual para os consoles de última geração, Turok virou um soldado que, com seu batalhão, caça um assassino e cai em um planeta infestado de agruras pré-históricas. Material para um filme épico de ficção e ação é o que não falta.

  • Gears of War

No conhecido e aclamado Gears Of War, em algum momento no futuro, os seres humanos colonizaram em massa um planeta chamado "Sera". Após anos de exploração dos recursos naturais do planeta, os mesmos começaram a se esgotar, antes que o planeta ficasse sem recursos um acidente com uma broca de petróleo acabou revelando um líquido viscoso, verde fosforescente mais tarde chamado de Imulsion - que na verdade é uma fonte de energia barata. Começa uma briga entre nações humanas por essa fonte de energia, até a entrada em cena da violenta raça Locust que deixa o planeta em ruínas e a humanidade em perigo, até a chegada de Marcus Fenix e seu batalhão. A solução encontrada para acabar com o confronto é mandar tudo pelos ares, mas o resultado é desastroso - o líquido vira um gás tóxico para os humanos e acaba criando outro pesadelo. O jogo tem litros e litros de sangue em profusão e necessitaria de uma produção milionária com uma quantidade exorbitante de efeitos visuais, do tipo que Michael Bay consegue milagrosamente levantar no estúdio para realizar suas porcarias.

  • Tomb Raider
Sim, outro que deveria ter outra oportunidade nos cinemas, assim como Resident Evil. Vamos esquecer Angelina Jolie com enchimentos nos peitos ou a criação digital da exploradora Lara Croft e seu short curto. A nova abordagem, elogiadíssima pelos críticos de games e já sucesso de público, tem foco na trama - e, curiosamente, o novo jogo é uma história de origem e de sobrevivência. Tomb Raider explora a Lara Croft e a sua mudança de uma jovem assustada até uma sobrevivente. O navio onde Lara se encontra é atingido por uma violenta tempestade e parte-se em dois. Lara e outros sobreviventes vêem-se assim abandonados numa ilha tropical isolada, no Mar do Diabo. Lara tem de encontrar comida e água para sobreviver, lutando contra animais perigosos e tentar descobrir onde estão os outros sobreviventes. Em seu encalço, um grupo de mercenários. Uns ajustes aqui e ali e tá pronto - só não chamem a Jessica Biel para o filme, por favor.

  • Uncharted
Nathan Drake é um caçador de tesouro, uma mistura de Lara Croft com Indiana Jones, mas sem o charme de nenhum dos dois. Na trama do primeiro jogo, Nathan corre em busca do tesouro da lendária El Dorado, envolvendo ação, aventura, perigos, traições e mercenários em sua busca. Poderia render um filme nos moldes de Indiana Jones ou ter um tom mais adulto, evitando os erros de "A lenda do tesouro perdido" - nada de aventura tipo família, o que seria uma abordagem errônea. 

Pesa contra o título o fato de necessitar de maior amadurecimento em outras mídias, embora já tenha resultado em livro, quinquilharias, uma série nos games e uma El Dorado de dinheiro.

  • God of War
É baseado na mitologia grega. O protagonista do jogo é um guerreiro chamado Kratos. A história faz parte de uma saga, com a vingança como tema central. Neste capítulo, Kratos deve impedir o Deus da Guerra, Ares, de destruir a cidade de Atenas, encontrando a lendária Caixa de Pandora. Uma vez encontrada a caixa e salvando Atenas, Kratos se transforma no novo Deus da Guerra. Os personagens ainda incluem Poseidon, Zeus, Afrodite, oráculos, medusa, hidras e toda a sorte de monstros e deuses mitológicos pra livro de história nenhum colocar defeito. Uma adaptação para o cinema vem patinando, já foi confirmada e negada várias vezes, mas um roteiro foi anunciado - a produção, no entanto, não tem data para começar.

  • Shadow of the colossus
O seu enredo se foca em um jovem chamado Wander que deve viajar por um vasto território, chamado de Região Proibida afim de derrotar dezesseis criaturas, conhecidas como Colossus para restaurar a vida de uma garota chamada Mono, com o auxílio de uma entidade. O ponto forte aqui é a trilha sonora, são os cenários e a trama. Chama atenção a estética dos gigantes, cada um criado com uma personalidade diferente - que reage de diferentes formas, com diversos pontos fracos para que possam ser abatidos. O problema de uma adaptação como esta está no fato de que não há inimigos além dos Colossus nem tramas paralelas - este é, talvez, o mais difícil dessa lista para ser adaptado. Não há na trama com quem o personagem interagir a não ser um cavalo e a tal entidade. O jogo é uma jornada solitária e cabe a habilidade de roteiristas, numa potencial adaptação já anunciada, de transformar esse plot em ritmo - para não causar sonolência em quem vai assistir o filme, óbvio - com a criação de novos personagens e de cenários dentro da proposta original. O final é um ponto a favor e, se bem utilizado, poderia até surpreender a plateia. Não imagino, contudo, como um jogo como este poderia ir para o cinema, nem em um diretor capaz de fazer algo com esse material. Ang Lee?

  • Dead Space
Uma mistura de Alien com A coisa, em Dead Space o jogador toma o papel de um engenheiro chamado Isaac Clarke, que luta contra uma infestação alienígena, parecida com vírus, que transforma humanos em monstros alienígenas chamados "Necromorphs", a bordo de uma nave de mineração espacial chamada USG Ishimura. Nada de armas de fogo: Isaac tem que se virar como pode, com artifícios mecânicos e aparelhagem usada nas operações de mineração. A trama se passa no século 26 e envolve um artefato alienígena encontrado num planeta distante que causa alucinação, além de uma estranha seita religiosa em que os membros acreditam que a vida veio do espaço e que, depois da morte, os cadáveres devem ser mantidos intactos até que todos renasçam como seres superiores no evento chamado de “Convergência” - ou, se preferir, como aberrações do tipo "Necromorphs". No jogo original, Isaac não mostra o seu rosto e vai em busca de sua ex namorada Nicole, que lhe dá as coordenadas e o ajuda a entender a situação. O problema é que Nicole pode estar morta. Ou não. 

O título rendeu duas animações interessantes, sendo um prequel, mas ambos rasos e com desenvolvimento superficial. O tema poderia render um bom filme de terror e suspense nos moldes de Alien O oitavo passageiro, principalmente pela sua atmosfera claustrofóbica, ou como a sua sequência, Aliens O resgate, cheia de ação.

Conhece algum game que você acha que deveria ser adaptado para o cinema? Não gostou de algum desses? Comentem! Espero que tenham gostado e até o próximo Top 10 com mais sugestões de adaptações!



Fonte: muitos dos resumos e sinopses estão disponíveis na internet, incluindo o Wikipedia


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...