segunda-feira, 8 de julho de 2013

Guerra Mundial Z - 2013



Por Jason

Atenção: o texto contém spoilers.


Guerra Mundial Z é o filme mais caro de zumbis já realizado e isso tem um lado bom e um lado ruim. Bom porque o filme traz tudo de técnica que uma produção milionária desse calibre pode ostentar. Ruim porque para gerar lucro, dizem os especialistas, precisa arrecadar pelo menos três vezes o seu custo de produção - e filmes de zumbis nunca foram muito rentáveis em bilheterias e nunca resultaram em rendas portentosas nos cinemas. A um custo de espantosos 200 milhões, com orçamento estourado devido a refilmagens, o filme é dirigido por Marc Foster (de 007 Quantum of Solace) e baseado na obra World War Z: an Oral History of the Zombie War. O desafio então está lançado.  

Brad Pitt encarna Gerry Lane, um funcionário da ONU que, com sua família, é sugado numa manhã na Filadélfia para uma correria desenfreada contra uma epidemia desconhecida. A primeira meia hora do filme trata justamente da fuga de Gerry e sua família, vitimado repentinamente pelo caos que se instala na cidade (no começo, ninguém sabe do que se trata). Uma vez levados para um navio militar, Gerry é convocado para uma missão para investigar o que está havendo no mundo e que tipo de doença é esta - é quando se falam em "zumbis" - além de descobrir a causa, o paciente "zero", e ajudar a encontrar uma cura. 

A abordagem como um filme de ação não é inovadora em se tratando de zumbis, mas é certeira, uma vez que Marc Foster tem mão excelente para ação e sabe como usar os excelentes efeitos especiais. Ele consegue criar pelo menos três sequências marcantes e de grande impacto com efeitos visuais: o caos que se instala em Filadélfia, que vai resultar numa confusão de saques, brigas e assassinatos por mantimentos (e a câmera de Marc está no meio do furacão); a sequência impressionante de Israel, em que os zumbis, atraídos pelo canto dos sobreviventes, começam a se amontoar no muro que protege uma cidade, invadindo e se espalhando como um formigueiro pelas vielas (e a câmera de Marc aqui se afasta para mostrar toda a dimensão do caos); e a tensa - pra não dizer absurda - sequência de ataque no avião, que vai resultar na queda do mesmo.

Brad Pitt encarna aqui o típico herói de ação, que além de atirar como poucos, conhece todas as noções de medicina, corre como um maratonista e escapa até de um acidente de avião. O diferencial aqui é o fato de que o roteiro não trata o filme como uma produção trash ou de horror e humor, lhe dando uma bem vinda seriedade. O horror aliás vem das enormes massas de zumbis carniceiros, que agem como formigueiros formando uma onda gigante devorando tudo o que está vivo - e que Foster mostra avançando enlouquecidamente e se amontoando rapidamente num frenesi absurdo e impressionante. Saem os zumbis lerdos que se arrastam, os comedores de cérebro, o excesso de sangue - e entram os zumbis maratonistas, de audição aguçada, que são atraídos pelos sons com suas dentadas letais.

Outra parte interessante do roteiro é o fato de que Gerry consegue entender que a humanidade procura uma cura para os doentes, mas que isso pode ser um erro. Gerry sugere que os zumbis não atacam pessoas doentes, depois de algumas observações, e necessita para tal realizar um teste que comprove que está correto. Se falhar, ele morre. Se acertar, pode ser um ponto a favor da humanidade. O teste consiste não numa vacina para os infectados, mas em infectar uma pessoa saudável com uma doença que acabe servindo de camuflagem para as pessoas saudáveis, já que a epidemia zumbi necessita de indivíduos saudáveis para se propagar. É envolvendo esta tese do personagem que há os momentos de tensão do terceiro ato, dentro de um prédio tomado por zumbis, em que o próprio personagem se vê forçado a se infectar para comprovar sua ideia e tentar escapar.

Mas o filme sofre, principalmente no terceiro ato, e o fato de mexerem no roteiro e o refilmarem acabaram prejudicando sensivelmente a produção. Reparem: em determinado momento, a família de Gerry some de cena. Ela é retirada do navio em que está - ela só estava lá por causa dele e da sua missão; quando ele é dado como desaparecido, já que a família não é considerada útil pelos militares e há um excesso de pessoas no transporte, a mulher e as filhas são tiradas do navio. Ocorre que o espectador só verá novamente a família no final, deixando um vão de meia hora que poderia ser usada no desenvolvimento desses personagens. 

Outra coisa que incomoda é o fato de o filme carecer de estofo dramático e de personagens sólidos além de Gerry: o jovem cientista de Harvard entra em cena apenas para morrer pouco depois (assim como outros, como a família que abriga Gerry, a mulher e seus filhos temporariamente, etc). Não resta muito para a atriz Mireille Enos (que faz a esposa de Gerry), a não ser ficar pregada num telefone esperando ele ligar (e causar quase sua morte quando resolve fazer uma ligação para ele em plena missão) - nem a David Morse, que entra e sai dando uma dica importante mas praticamente ninguém viu. Sai a ação e tensão dos dois primeiros atos e o filme diminui o ritmo no terceiro, sem acrescentar, ainda, drama ao filme. 

No mais, Guerra Mundial Z não é o melhor filme de zumbis já realizado, mas é com certeza o mais impressionante. O filme já é um sucesso de público, é o filme de zumbis de maior sucesso do cinema, um dos maiores blockbusters do ano (neste momento já arrecadou mais de 350 milhões de dólares), e sucesso de crítica, o que garantiu uma continuação que já foi anunciada pelos estúdios. 

Aguardaremos ansiosamente para ver que rumo essa guerra tomará.

Preste atenção: 

*no começo do filme, que mostra a selvageria da natureza e da humanidade, fazendo um paralelo com o que será visto no desenvolvimento do filme;

*nas palavras do jovem cientista sobre a natureza, que dá a dica para o personagem de Pitt;

*no modo de operação dos militares e na reação da população ao caos quando a epidemia começa.


Cotação: 3,5/5

Tem os seus notáveis defeitos, principalmente no terceiro ato, mas é um eletrizante filme de ação regado por cenas impressionantes e de bom uso de efeitos especiais. Vale a pena conferir.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...