terça-feira, 5 de novembro de 2013

Star Trek Generations - 1994



Por Jason

Continuo a revisitar as produções da série Star Trek nos cinemas. Neste, o filme começa com o retorno de Kirk a Enterprise, agora comandada por uma nova tripulação. Durante uma volta de apresentação no sistema solar, a nave recebe uma chamada de socorro de duas naves que estão passando por uma tempestade em forma de faixa de energia. Uma é destruída e parte da tripulação da outra é salva, o que inclui o Doutor Soran. Acontece que no processo, a Enterprise é danificada e Kirk aparentemente morto. 

Setenta e oito anos depois, a nave já é comandada por Jean Luc Picard (Patrick Stewart) e sua tripulação, que incluem Data (um androide procurando evoluir e desenvolver sentimentos), Geordi (um negro com um óculos que não são nada práticos, mas ficaria bom num show do Daft Punk), Guinan, uma bar tender, dentre outros. Eles descobrem uma estação danificada que abriga, misteriosamente, o Dr Soran. Durante a investigação de Picard, descobre-se que Soran está ligado diretamente a faixa de energia chamada Nexus, que atingiu a Enterprise 78 anos antes e para onde Soran quer retornar. Para completar o tamanho do problema, os Klingons acabam se envolvendo na confusão pois estão do lado de Soran, piorando a situação da tripulação da Enterprise.

Star Trek Generations funciona como um ato de passar o bastão na franquia do cinema - não a toa se trata de uma nova geração oriunda da série de tv do mesmo nome - e veio com a mesma função que o filme de J. J. Abrams surgiu em 2009: recolocar a franquia nos eixos, reapresentando-a, atualizando, para um novo público. Mesmo não sendo uma franquia capaz de arrecadar cifras monstruosas, Star Trek se tornou em uma marca multimilionária para os estúdios Paramount, em licenças e produtos de todos os tipos. O resultado não foi catastrófico - o filme arrecadou quase 120 milhões de dólares para um orçamento de 35 milhões - mas, diferente da produção de 2009, não se livrou de resultar em uma extensão do que era visto na televisão. Salvo uma sequência ou outra, a produção parece um episódio da TV, e isso, não há como negar, tem seus prós e contras. 

Generations tem bons momentos, como aquele em que a Enterprise se desloca em duas e parte em direção a um pouso forçado (que deve ter servido de inspiração, inconscientemente ou não, para Além da escuridão, de 2013, pois alguns takes são semelhantes). Os efeitos especiais eram bons para a época e ainda se sustentam. Whoopi Goldberg surge em boa e agradável participação. O vilão, Soran, é interpretado pelo bizarro Malcolm McDowell, mas o roteiro não o ajuda - ele não tem muito o que fazer a não ser o óbvio. Roteiro, aliás, é o maior problema do filme. Kirk morre de uma maneira tão brega que chega a chocar (deve ter matado também meio mundo de fãs de ataque cardíaco). Sem falar dos momentos de pieguice extrema, quando Picard vai parar no Nexus realizando seus sonhos com seus filhos durante o Natal. 

Depois de seis filmes com o elenco original - a franquia já demonstrava cansaço desde o terceiro, com poucas sacadas boas nos filmes seguintes - era natural que Star Trek iniciasse sua descida ao limbo até ressurgir das cinzas em 2009. Generations foi só mais um passo nessa direção. O filme ainda recebeu indicação para pior ator coadjuvante - William Shatner - no Framboesa de ouro do ano seguinte. Merecido. Sua morte é uma das coisas mais absurdas e indignas de toda a série e parte da culpa disso é da própria cara de Shatner nesse momento.

Cotação: 2,5/5

Preste atenção: No começo do filme, na oficial de ciências da Enterprise. Ela é Janette Goldstein, atriz de televisão, que interpretou a Vasquez de Aliens O resgate, a mãe adotiva de John Connor em Terminator 2 e a mãe que consola os filhos presos durante o naufrágio em Titanic

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...