sábado, 4 de janeiro de 2014

12 anos de escravidão - 2013


Por Jason


O ano é 1841. Solomon era violinista, um homem livre, negro, que trabalhava para entreter os brancos e levava uma vida sossegada com sua esposa e seus dois filhos. A mulher recebe uma proposta de emprego de três semanas e decide ir, visando o dinheiro. Em contrapartida, ele recebe uma proposta em outra cidade, deixando Saratoga, Nova York, onde vivia livremente, e partindo para Washington. Os homens que o abordam oferecendo o emprego parecem amigáveis no começo, mas na verdade estão sequestrando-o para que ele seja vendido como escravo. Essa história aparentemente surreal e absurda é real e é o mote principal do excelente 12 Anos de Escravidão.

À época, os EUA já davam sinais de uma grande divisão entre os estados do Norte, mais desenvolvidos socialmente, economicamente e industrializados, e os estados do Sul, que ainda mantinham costumes aristocráticos, seus fazendeiros, capatazes e suas terras com plantações de algodão - uma sociedade economicamente mais atrasada e ainda baseada na escravidão, que só seria definitivamente encerrada em 1863, com a Proclamação de Emancipação de Abraham Lincoln, realizada durante a Guerra Civil Americana, deixando uma ferida histórica e uma vergonha na sociedade norte americana. Dito isso, o destino de Solomon foi igual ao de muitos negros do período: ele foi preso, espancado, humilhado, acorrentado e transportado para o sul em um navio para ser comercializado e vendido para trabalhar em uma dessas plantações. 

A partir daí, ele precisa se virar como pode para sobreviver ao inferno. Aprende as regras dos capatazes - homem negro que tenta fugir é um homem morto -, não pode falar, não pode deixar que os outros saibam que ele sabe ler e escreverAo ser comprado por Ford (Benedict Cumberbatch), um pregador batista e dono de escravos, ele acaba se destacando dos demais, o que causa a revolta de John Tibeats (Paul Dano) que quase o mata tentando enforcá-lo. Acaba jurado de morte e por isso é repassado para o senhor Epps (Michael Fassbender) acreditando que será cuidado. Epps é um homem inescrupuloso, que maltrata não apenas os escravos mas sua própria mulher. Deseja Patsey (Lupita Nyong'o, uma das escravas jovens da fazenda), a estupra e é uma ameaça a vida de todos os negros que trabalham em sua plantação de algodão. Para o pobre Solomon, a liberdade só viria depois de muito sofrimento - após doze anos depois de trabalho de escravo - com a ajuda de um homem contrário à escravidão.

Todo o elenco é bom, mas não é homogêneo (Brad Pitt não convence muito e a atriz que faz Eliza, a negra que foi separada dos filhos e discute com Salomon na fazenda de Ford, também não). O destaque fica com Chiwetel Ejiofor em grande caracterização, talvez um degrau abaixo das performances de Michael Fassbender e Lupita Nyong'o. Fassbender consegue transpor toda a piração do seu doente personagem. É desequilibrado e imprevisível e nunca se sabe qual será sua reação. Numa das cenas de grande impacto, sem conseguir surrar Patsey, ele obriga Solomon a fazer o serviço sujo. Já Lupita, apesar de pouco tempo em cena, se sobressai, trazendo a maior carga dramática da segunda parte do filme. Quando entra em cena, logo é agredida com uma garrafada na cara pela esposa de Epps e tem seu rosto desfigurado pelos castigos que sofre. A esposa de Epps, aliás, tenta de todo jeito fazer com que o homem se livre de Patsey, mas Epps mantém uma relação doentia com a menina. Patsey é humilhada de todas as formas, surrada nua até que suas costas sejam descarnadas - é a cena de maior sofrimento do filme e Lupita dá um show - e não vê outra saída para seu martírio a não ser tentar fazer com que Solomon acabe com sua dor e a mate. O filme inclui ainda Paul Giamatti e a pequena Quvenzhané Wallis, de Indomável Sonhadora, como filha de Solomon.

Alguns espectadores poderão reclamar do entra e sai de atores, do destino desconhecido de outros personagens que surgem, mas não se desenvolvem ou do final melodramático. O fato é que o drama vem colecionando indicações e já é apontado como favorito ao Oscar 2014 merecidamente. É baseado em fatos reais e na autobiografia de 1853, Twelve Years a Slave e é cru - há cenas de violência, de enforcamento, de nudez, estupro, chicotadas -, tudo seco e realista. Além da ótima adaptação para as telas, toda a reconstituição de época é ponto alto no filme. Figurino, fotografia, direção de arte, tudo funciona em favor da trama. A direção é segura (Steven McQueen, de Shame), mantém um tom reflexivo enquanto acompanhamos e torcemos para que Solomon ganhe novamente o direito de ser livre. Tamanho empenho da produção só poderia fazer, sem dúvidas, um dos melhores filmes que já existiu sobre essa mancha na história da humanidade chamada escravidão. 

Cotação: 4,5/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...