terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

No caminho das dunas - North Sea Texas - 2011



Por Jason

O começo de North Sea Texas nos dá uma noção da confusão na cabecinha do garoto Pim. O menino é filho de uma ex miss e acha que é uma princesa, se vestindo com os aparatos femininos da mãe Yvete. Ele não tem pai e a mãe é relapsa, infeliz, amarga, mal amada e interesseira. Ao ser pego pela mãe no dia em que está montado, Pim se refugia na casa do vizinho, Gino. É por ele que Pim, aos quinze anos, estará apaixonado, trocando experiências sexuais de descoberta com o rapaz que logo será maior de idade. 

O problema é que Gino começa a deixar Pim de lado para se envolver com uma menina, Françoise, e abandona o lar para viver longe da família. O que para Gino era apenas brincadeira, para Pim, no entanto, significava muito mais que uma descoberta - era um relacionamento, o amor e carinho que ele nunca tivera, fosse de pai, de irmão, de namorado ou de mãe. A irmã de Gino, Sabrina, curiosa e apaixonada por Pim, acaba descobrindo a relação dos dois, mas não sabe que atitude tomar - se deve contar ou não para a mãe. Interessante notar que ambos são filhos de famílias desestruturadas e mães solteiras, mas enquanto a mãe de Pim é descuidada, a mãe de Gino, doente e sofredora, é mais cautelosa e praticamente adota Pim como seu filho.  Quando Yvete passa a flertar com um rapaz, Pim acaba abandonado e a morte da mãe de Gino traz de volta o sentimento que havia se perdido com o tempo entre os dois rapazes.

Todo o elenco é bom, mas o elenco adolescente é superior ao restante. Como Pim, o jovem ator Jelle Florizoone consegue passar todo o drama de ser um adolescente gay, retraído, sensível, sonhador, confuso, ciumento e carente. Para manter uma espécie de identidade - ou tentar criar uma -, Pim mantém objetos que gosta em uma caixa, assim como objetos de Gino que o faz lembrar e nutrir seu amor por ele. É ingênuo, imaturo e, quando consegue a clareza suficiente para entender o turbilhão de sentimentos pelo qual está passando, rompe com suas lembranças e renasce - ele queima os objetos e vai nadar nu -, numa cena claramente simbólica de libertação e crescimento, de rito de passagem para a maior idade. Ele e o ator Mathias Vergels (um degrau abaixo) parecem bem a vontade nas cenas de beijo e de relações sexuais. 

Não falta estética ao filme, seja na paleta de cores usadas na fotografia ou nas cores dos cenários, que parecem - notem - todos sem graça, quando não escuros, contrastando com a blusa amarela e viva de Pim. que falta ao filme é densidade dramática e ritmo. O filme parece durar bem mais do que dura. Yvete, a mãe de Pim, embora carregue toda complexidade de uma mulher que achava que podia ter todos os homens aos seus pés mas que foi castigada com o tempo, é um personagem que beira a caricatura tragicômica e outros personagens, que contribuem direta ou indiretamente para o desenvolvimento de Pim não se desenvolvem (o próprio cigano com o qual a mãe se envolve e desperta excitação no menino é um deles). Resta, no entanto, um bom e sensível filme sobre a descoberta e o desabrochar da sexualidade, seus prazeres, mistérios, dores e felicidades.

Cotação: 3/5  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...