segunda-feira, 7 de abril de 2014

A morte lhe cai bem - 1992



Por Jason

A história começa em 1978 na Broadway, com Meryl Streep interpretando uma atriz, cantora e dançarina de teatro, Madeline. No show, o povo está dormindo, abandonando o local e desinteressado. O doutor Ernest (Bruce Willis) está na plateia e é o único que se impressiona. Nos bastidores, ele e sua noiva, a escritora Helen (Goldie Hawn) vão se encontrar com a estrela, que tem obsessão por permanecer jovem e já tem histórico de roubar os futuros maridos da conhecida. Pouco tempo depois, Madeline se casa com Ernest, para desespero da coitada da Helen, que sete anos depois engorda como um boi e vive uma vida miserável.

Helen é presa e vai parar no hospício, onde as colegas já estão neuróticas e ainda mais piradas porque Helen está obsecada por Madeline e com a ideia de eliminá-la de uma vez por todas. Mais sete anos depois, Madeline recebe um convite do lançamento do livro de Helen. Madeline, desesperada por ficar ainda mais jovem, realizando sessões frequentes dos mais loucos tratamentos de beleza, fica ainda mais aflita quando descobre que Helen está magra e mais jovem que ela. Recebe uma oferta tentadora de uma mulher misteriosa, Lisle Von Rhoman (Isabella Rossellini), que possui uma poção capaz de rejuvenescer quem a beber. A questão é que depois de dez anos, a pessoa deve se isolar do mundo por causa dos efeitos colaterais.

Enquanto isso, Helen trama a morte de Madeline, para fazer tudo parecer acidental, num plano mirabolante. Num acidente, Madeline cai da escada e morre, mas a poção a impede de morrer. Na confusão que se instala posteriormente, descobre-se que Helen também tomou a poção e as duas se tornam, na verdade, verdadeiras zumbis. Após acertarem as contas, tramam contra o doutor, já que precisam ser consertadas e maquiadas constantemente para disfarçar os retalhos e as quebradeiras. Ele foge, deixando as duas inconsoláveis e se reencontram no velório do homem, 37 anos depois, caindo de uma escada e quebradas como se fossem manequins. 

O filme é uma superprodução da época, ao custo de quase sessenta milhões de dólares, que foi bem nas bilheterias, arrecadando quase três vezes mais o seu custo. Traz o diretor Sidney Pollack em uma participação especial  como o médico na sala de emergência - um verdadeiro luxo. Venceu o Oscar e o Bafta de Melhores Efeitos Especiais, apresentando técnicas inovadoras para a época, como as peles digitais utilizadas pelos personagens - o que pode parecer pouco se visto hoje era de uma dificuldade extrema na época -  o que não esconde seu sabor de descartável e esquecível.

Nessa comédia de humor negro de Robert Zemeckis, o canastrão Bruce Willis faz a cara de sempre, prejudicado ainda mais por um bigode tosco; Goldie Hawn faz como poucos uma zumbi com lente de contato emprestada de alguma Drag Queen e Meryl Streep dá o seu show habitual, interpretando a canastrissima atriz, dondoca e desesperada para não envelhecer. Madeline é uma metáfora as grandes celebridades, que lutam de todas as formas contra a idade e acabam perdendo a noção e bom senso, deformando rosto e corpo tentando lutar contra os efeitos do tempo. Nesse sentido, Meryl, indicada a Melhor Atriz no Globo de Ouro pelo filme, hoje uma senhora e uma das melhores atrizes de todos os tempos, se mantém com aparência saudável, ao passo que sua rival no filme, Goldie Hawn, parece deformada por tanta plástica - o que dá ao filme, ironicamente, um bizarro tom premonitório.

Cotação: 3/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não gostou? Sugestões? Críticas? Essa é a sua chance de dar a sua opinião porque ela é muito importante para nós! Seja educado e cortês, tenha respeito pelo próximo e por nós, e nada de ofensas, tá? Esse é um espaço democrático, mas comentários ofensivos serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...